Torches - Foster The People

0
COM
Oi galera!
Como eu poderia fazer tantas resenhas e me esquecer da minha banda preferida? Torches é o álbum de estreia da banda de indie rock norte-americana Foster The People, que conquistou milhares de fãs ao redor do mundo através de seu maior hit  Pumped Up Kicks. A banda composta pelo vocalista e guitarrista Mark Foster, o baterista Mark Pontius e o baixista Cubbie Fink, conseguiu emplacar o álbum no número 8 na Billbaord 200, vendendo 33 mil cópias em sua primeira semana, e chegaram ao topo do Billboard Alternative Albuns e Billboard Rock Albuns. Números bastente satisfatórios para uma banda revelação. Então vamos a análise faixa a faixa de um dos álbuns mais bem trabalhados do gênero indie.

♫♫♫
01- Helena Beat: A faixa de introdução do álbum é acompanhada de batidas totalmente contagiantes e que me conquistaram pela primeira vez em que a ouvi. O segundo single do álbum conseguiu alcançar o topo da parada canadense, e isso prova que 'Batida da Helena' conquistou vários apaixonados pela música. Não tem como você resistir a tamanha sincronia presente nesta faixa. 5/5!

02- Pumped up Kicks: O maior hit da banda, realmente fez jus a vitória, alcançando o topo das paradas em quatro países. A canção é composta com um leve toque de batidas calmas e contagiantes, e traz a mensagem sobre os atos homicidas que ocorrem frequentemente em nossa sociedade. Atualmente, Pumped up Kicks foi banida das rádios americanas depois do massacre ocorrido em uma escola dos EUA, mas isso não impede que você também entre no clima da música e relaxe... 5/5!

03- Call It What You Want: A minha faixa preferida do álbum Torches é repleta de batidas que fazem você querer dançar sem parar. É quase impossível não entrar no espírito da música e extravasar! O seu videoclipe é um dos mais loucos, bizarros e irresistíveis que já vi, trazendo consigo uma boa dose de carisma dos integrantes da banda. 5/5!

04- Don't Stop (Color On The Walls): Seguindo a mesma linha de Call It What You Want, a faixa single Don't Stop é bem mais extrovertida e diferente das produções deste álbum, mostrando o vocal ousado de Mark Foster, e acompanhado de uma batida não muito atrativa, o que talvez seja a razão para o flop do mesmo nas paradas. Mas possui um dos clipes mais engraçados da banda. 4/5.

05- Waste: Mark Foster e sua turma conseguiram trazer para esta música o verdadeiro espírito do gênero indie, com traços de batidas tão irresistíveis e originais como a de Helena Beat. Seria uma boa escolha ter Waste como single, mas é uma pena que isto não aconteceu. 4/5.

06- I Would Do Anything For You: Com uma letra totalmente romântica e um refrão que não sai da sua cabeça, I Would Do Anything For You é realmente uma música que marca o álbum Torches, apresentando o belíssimo vocal de Mark Foster em sincronia com a bateria e o baixo comandados por Pontius e Fink. 5/5.

07- Houdini: Simplesmente me apaixonei por esta canção, pois além de ter uma das batidas mais perfeitas do álbum, é muito viciante! A cada faixa que escuto, fico cada vez mais impressionado com a criatividade e originalidade dessa banda, mas mesmo assim, não entendo porque Houdini foi um dos maiores flops do Foster The People até hoje. Realmente uma pena, pois o seu videoclipe é um dos melhores de toda a carreira dos rapazes. 5/5!

08- Life On The Nickel: Desde a primeira vez em que a escutei, consegui sentir fortes aspectos da música indie, repleta de estilos contagiantes, acompanhada de um teclado em bastante acordo com a voz de Mark. Uma faixa perfeita para ser apreciada durante uma viagem. 4/5.

09- Miss You: Realmente, o Foster The People provou que  veio para ficar, mostrando tudo o que abanda é capaz de fazer, através de batidas inesquecíveis e letras que muitas vezes nos servem de inspiração, e todas essas características estão presentes em Miss You, que possui um refrão que você raramente esquece. 4/5.

10- Warrant: O Foster The People é uma banda que a cada momento que passa nos surpreende com a sua tamanha criatividade. Warrant apresenta uma das letras mais bem trabalhadas de todo o álbum, tornando-se uma escolha perfeita para encerrar a playlist de Torches. Sua batida altamente celestial e atrativa conquistou críticas bastante positivas ao redor do mundo. 5/5!

11- Broken Jaw (faixa bônus): Até hoje não consigo entender porque ela não entrou na edição oficial do álbum Torches, sendo uma faixa bônus do iTunes. A canção que mais explora os vocais de Mark Foster e o constante uso dos instrumentos musicais da banda acabou se tornando uma das minhas favoritas. Não tem como você esquecer esta belíssima obra de arte que foi confirmada como single promocional. 5/5!

Resumindo tudo, Torches é o segundo álbum que mais escutei durante o ano de 2012, e só posso dizer que ele não pode deixar de faltar em sua playlist, pois tenho certeza de que vocês irão se encantar desde a primeira batida até a última melodia produzida. Fico feliz em saber que a carreira dessa banda de sucesso está ficando cada vez melhor, uma vez que ganharam o prêmio da Melhor Música de Rock, por Pumped up Kicks no festival Billboard Music Awards 2012, e agora foram indicados para o Grammy Awards 2013, na categoria Melhor Clipe por Houdini, que teve uma produção e direção impecável. Nunca fiquei tão viciado em música indie, e só posso agradecer a Mark Foster, Mark Pontius e Cubbie Fink, que foram tão originais e criativos que acabaram conquistando mais um Fosterkid!

Fiquem com o clipe de Call It What You Want e Houdini


Confie em mim - Harlan Coben

0
COM
Título: Confie em mim
Autor: Harlan Coben
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 320
Avaliação:♥♥♥♥
SinopsePreocupados com o comportamento cada vez mais distante de seu filho Adam - principalmente depois do suicídio de seu melhor amigo, Spencer Hill -, o Dr. Mike Baye e sua esposa, Tia, decidem instalar um programa de monitoração no computador do garoto. Os primeiros relatórios não revelam nada importante. Porém, quando eles já começavam a se sentir mais tranqüilos, uma estranha mensagem muda completamente o rumo dos acontecimentos:
"Fica de bico calado que a gente se safa." 
Perto dali, a mãe de Spencer, Betsy, encontra uma foto que levanta suspeitas sobre as circunstâncias da morte de seu filho. Ao contrário do que todos pensavam, ele não estava sozinho naquela noite fatídica. Teria sido mesmo suicídio? 
Para tornar o caso ainda mais estranho, Adam combina ir a um jogo com o pai, mas desaparece misteriosamente. Acreditando que o garoto está correndo grande perigo, Mike não medirá esforços para encontrá-lo.Quando duas mulheres são assassinadas, uma série de acontecimentos faz com que a vida de todas essas pessoas se cruzem de forma trágica, violenta e inesperada.

Resenha: Confie em mim, é um livro que somente pelo título ou pela capa, muitos devem achar que é mais um autoajuda, mas aí que vocês se enganam! Basta olhar mais atentamente para o livro e ver quem é o autor, Harlan Coben, o mestre dos mestres dos romances policias, que tiram o fôlego de leitores de todas as idades. Neste livro, Harlan traz um foco nas questões familiares, e induz uma reflexão: Até onde você iria por amor à sua família?
Mike, um excelente médico-cirurgião e Tia, uma funcionária de uma agência, formam uma bela família com os seus filhos Adam e Jill, mas nem tudo é o que parece ser. O casal está vivenciando um sério problema, Adam o filho mais velho de 16 anos está se comportando cada vez mais estranho e agressivo, eles achavam que estas atitudes são decorrentes do suicídio de Spencer, o melhor amigo de Adam. Decididos, Mike e Tia resolvem instalar um programa no computador do filho, e com isso, teriam um relatório sobre o que Adam pesquisava na internet, os e-mails que mandava ou recebia, os sites visitados e principalmente a conversa através das redes sociais. Invadir a privacidade de um alguém é um ato ilegal, mas naquele momento, era a única saída que tiveram para saber o que realmente estava acontecendo com ele.
Os relatórios eram enviados para os aparelhos celulares de Mike e Tia, até o dia em que viram uma mensagem, que dizia: Fica de bico calado que a gente se safa. Realmente, Adam estava metido em alguma confusão, e talvez este fosse o motivo do seu estranho comportamento. Mas tudo muda quando Adam desaparece sem deixar rastros, fazendo com que Mike, ao lado de seu amigo Mo arriscasse a sua vida para desvendar o mistério por traz de seu filho.
Enquanto isso, em outra região da cidade, um assassinato de uma jovem moça e o desaparecimento de uma mãe de família, deixam a polícia em alerta, ainda mais depois da suspeita de que haja um único culpado por traz destes acontecimentos.
O livro e cheio de estórias paralelas, como a de Susan Loriman, que esconde um segredo do marido há anos, e infelizmente o seu filho Lucas necessita de um transplante de alto risco de vida.
Besty Hill, ainda traumatizada pelo suicídio cometido pelo filho Spencer, começa a investigar o que realmente aconteceu naquela noite que fez com que ele levasse a ter tal atitude.
Yasmim, uma garotinha de 9 anos, não consegue superar o trauma que teve de seu professor Joe Lewinston, que sem querer em uma brincadeira, a zombou por ter muitos pelos no rosto. E a partir daí, nasce uma sede de vingança de Yasmin para com Joe.
O mais interessante é que todos estes acontecimentos irão se juntar em um só, a características mais marcantes nos livros escritos pelo Harlan Coben. Confie em mim é espetacular, e tenho certeza de que irá conquistá-lo na primeira página, para simplesmente chocá-lo na última. Não é um livro de difícil compreensão, e isso faz com que o leitor sinta-se mais interessado no decorrer da história. Recomendo!

Born To Die - The Paradise Edition: Lana Del Rey

0
COM
Para darmos início a esta nova coluna, nada melhor do que apresentar o relançamento do álbum "Born To Die", da estrela do indie pop, Lana Del Rey, a "Artista da Semana #5" aqui no blog Tales of Leo.
O relançamento ocorreu nos dias 12 e 13 de novembro, na Europa e Estados Unidos, respectivamente, mas por incrível que pareça, o álbum já havia vazado em versões demo, sendo revelado consigo, as 8 novas faixas produzidas por Lana, incluindo o single Ride. Então vamos à resenha de um dos álbuns mais viciantes que ouvi este ano.


♫♫♫♫

CD 1

01- Born To Die: O álbum começa com a minha canção preferida, o segundo single que fez com que esta talentosa cantora se sucedesse cada vez mais no mundo musical. Born To Die me conquistou por apresentar consigo, os sentimentos mais profundos de Lana , em um tom melancólico e triste. Além de possuir um dos videoclipes mais incríveis que já vi! 5/5

02- Off  To The Races: Desejada por muitos dos fãs para se tornar single, acabou ficando de fora da lista da cantora. A canção traz uma batida irresistível, e terminando com uma melodia totalmente diferente do que já tinha visto antes. Realmente a Lana me surpreendeu, conquistando nota total! Recomendo! 5/5

03- Blue Jeans: Outra canção que fiquei viciado facilmente, fazendo com que os vocais se tornassem diferentes das demais. A letra retrata bem os fortes sentimento de uma mulher pelo seu amado homem. Pode-se perceber esta paixão no refrão que diz: "Eu vou ter amar até o fim dos tempos". Que lindo! rsrsrs. 5/5

04- Video Games: Uma bela e emocionante balada que conquistou milhares de apaixonados pala música indie, pois além de apresentar um ritmo totalmente tranquilo, é uma música em que muitos fãs se identificaram através da maravilhosa letra. Admito que na primeira vez que eu a ouvi, não me senti atraído por completo, mas nas vezes seguintes, tornou-se um vício total. 5/5

05- Diet Mountain Dew: A quinta faixa do álbum pode ser considerada mediana, por não apresentar um ritmo atraente e que faça com que eu queira ouvi-la novamente, mas mesmo assim não chaga a ser ruim, somente não gosto muito dela. 4/5

06- National Anthem: Só tenho uma coisa a dizer sobre ela: P-E-R-F-E-I-T-A! Born To Die é recheado de  surpresas, e esta é uma delas. National Anthem tornou-se uma das minhas preferidas, trazendo uma letra baseada completamente nas questões políticas e econômicas da sociedade. A batida é tão envolvente e o refrão o mais realista possível! O videoclipe traz a história do presidente John Kennedy que foi assassinado enquanto fazia o seu passeio de carro ao lado da sua primeira dama (interpretada por Lana) pelas ruas de Washington. Uma canção inesquecível! 5/5

07- Dark Paradise: Para mim, esta devia ter virado single, mas não foi. Ela é simplesmente fantástica e prazerosa de ser escutada e percebi certos tons de melancolia no decorrer da música, em uma letra carregada de sentimentos. 5/5

08- Radio: Na primeira vez que eu a escutei, não fiquei muito animado em relação a melodia, mas somente depois consegui compreender a essência presente na canção, ainda mais em uma voz tão perfeita e sofisticada como a da Lana Del Rey. 5/5

09- Carmen: Acredito que seja uma das canções mais melancólicas do álbum. Aqueles que não curtem uma balada nem vão querer chegar perto de Carmen. Mas ela é bem legalzinha, e fez com que a letra ficasse em minha cabeça, e em momentos descontraídos eu começasse a cantá-la. 4/5

10- Million Dollar Man: Uma das quais menos escutei, pois no início eu a considerava chata e vazia, mas acabei me enganando. Com o passar do tempo ela tornou-se uma das minhas preferidas, principalmente pelos vocais da Lana ao longo da música. 4/5

11- Summertime Sadness: Fico até sem palavras quando vou descrevê-la, pois a cada segundo que se passa ao executar a música é uma surpresa sem fim! Envolvente, primorosa e cativante. Tenho certeza que conquistará os fãs da música indie pop. 5/5!

12- This Is What Makes Us Girls: Desde quando a escutei pela primeira vez já tinha se tornado um vício, pois o seu refrão não saía da minha cabeça, semelhante a Carmem, mas não sei porque atualmente não a ouço tanto. 4/5

13- Without You: A principal marca desta faixa são os vocais da Lana; que se apresentaram em perfeita sincronia com a melodia produzida. Fiquei impressionado quando a vi cantando Without You no iTunes Festival 2012, sendo digna de uma bela performance. 5/5

14- Lolita: De todas as músicas presentes no álbum, essa foi uma das que mais me marcou, por apresentar um estilo totalmente diferente das exercidas anteriormente, mostrando um outro lado da voz da Lana Del Rey. Um pouco de hip-hop misturado com indie pop. Gostei da combinação! 4/5

15- Lucky Ones: Os instrumentos presentes da música, como harpa, violino, piano e violoncelo, são os principais aspectos desta balada em total acordo com a belíssima voz desta talentosa cantora. Calma e especial, foi uma ótima escolha para terminar o álbum (Versão Deluxe). 4/5

CD 2

01- Ride: A primeira faixa do single do The Paradise Edition a ser liberada, foi um vício só! Não consigo parar de ouvi-la e vejo o clipe (curta-metragem) toda hora. Esta foi a música da Lana Del Rey que mais recebeu boas críticas das empresas musicais, inclusive a Billboard. Pode-se perceber certa maturidade em Ride e principalmente no clipe que foi praticamente feito pela Lana. 5/5!

02- America: Como sempre em suas produções, Lana faz questão de expor a sua nacionalidade e o amor que tem a sua pátria, os EUA, podendo ser representada nesta música que chega a ser legal e chata ao mesmo  tempo, mas não foi uma decepção para mim. 4/5

03- Cola: Algo bem irreverente produzido neste disco, que nunca vi. A letra parece um pouco estranha e polêmica, pois o refrão diz: "Minha vagina tem gosto de Pepsi Cola". Todos ficaram espantados com o que ouviram, e a explicação da Lana para este refrão é por causa do seu namorado, que disse que a vagina dela possui um gosto de Pepsi. Recentemente, Lana confirmou "Cola" como segundo single do Paradise Edition. Mal posso esperar para ver o que ela irá aprontar.4/5

04- Body Electric: Lana já havia cantado esse faixa no iTunes Festival 2012, e achei um pouco estranho o refrão: "Eu canto corpo elétrico". Tipo, como assim!? Mas tirando esse detalhe, pude perceber traços de dor e sofrimento enquanto a música tocava e gostei bastante! 5/5

05- Blue Velvet: Uma canção inesquecível, que me fez viajar aos anos 60 e vivesse todo o cotidiano e os costumes da população. É bem o estilo da Lana Del Rey apresentar temas que retomem ao passado. 5/5

06- Gods & Monsters: A música com a batida mais diferente que ouvi, começando com um estilo macabro e com um vocal bem parecido com o da cantora Lady Gaga. A letra possui toda uma história, e  podemos quase afirmar que esta faixa irá tornar-se single, ou melhor um curta-metragem, segundo Lana Del Rey. 4/5

07- Yayo: A primeira vez em que a ouvi, a considerava muito chata e ZzZzZz... Mas agora percebi a belíssima melodia presente na nesta música! Impossível não se emocionar ao longo da canção. Calma e relaxante, os dois principais aspectos presentes neste álbum. 4/5

08- Bel Air: A faixa totalmente contrária a Gods & Monsters, apresenta uma batida totalmente calma, com sons de violinos ao fundo, fazendo com que o ouvinte receba a sensação de tranquilidade que quer ser transmitida. Recentemente foi lançado o clipe promocional para Bel Air, seria mais alguma divulgação do  Paradise Edition. 5/5

09- Burning Desire (bônus): Vazada há um bom tempo, junto com Ride, apresenta um estilo próprio da Lana: voz perfeita, de acordo com os instrumentos usados e a sonoridade produzida. Não paro de ouvi-la e acabou se tornando uma das minhas favoritas, mas é uma pena que Burning Desire não entrou na lista de faixas do relançamento de Born To Die. 5/5!

Resumindo, Born To Die é o álbum que mais estou escutando atualmente. Suas músicas são excelentes, em uma voz tão linda como a da Lana Del Rey. É uma pena que tenha vazado, mas acredito que o público irá gostar bastante das novas faixas. Alcançando o 1º lugar nas paradas de 5 países, e chegando ao Top 10 de outros 11, as novas faixas já são consideradas um sucesso. O álbum tem os seus deslizes, mas mesmo assim avalio Born To Die - The Paradise Edition em 5/5!

Fiquem com o clipe de Ride

Artista da Semana #5 - Lana Del Rey

0
COM
Olá pessoal!
Como vocês perceberam, o Top 10 desta semana foi praticamente dominado pelas músicas da Lana Del Rey, e nada mais justo do que fazer uma resenha em homenagem a ela. Então aqui vamos nós!
Elizabeth Woolridge Grant, mais conhecida pelo nome artístico Lana Del Rey, é uma cantora e compositora norte-americana que começou a sua carreira com algumas reuniões em várias gravadoras inglesas, mas, acabaram recusando o seu trabalho, fazendo com que Lana procurasse outras alternativas para que se sucedesse no mundo musical. Felizmente, ela conseguiu um contrato com David Kahne, o mesmo produtor dos álbuns da Kelly Clarkson e do Paul McCartney, e atualmente é a dona de umas das vozes mais perfeitas e encantadoras que o mundo já viu!
Em seu mais recente trabalho, Lana Del Rey lançou o álbum de estúdio "Born To Die", com um estilo de música totalmente inovador e original. Os singles "Blue Jeans", "Born To Die" e "Video Games" tornaram-se sucesso em todo o mundo, conquistando milhares de apaixonados pela música indie. Eu sou uma prova disso, pois em toda minha vida, nunca fiquei tão viciado nas músicas de algum artista como as da Lana Del Rey. Ela possui uma voz tão perfeita e maravilhosa, que te faz esquecer os problemas e relaxar por um bom tempo... 
Eu simplesmente não consigo parar de ouvir "Born To Die", porque é tão viciante, tranquila e perfeita! Lana Del Rey consegue passar para os seus fãs os sentimentos que mais estão presentes na vida dela, e acaba que muitos se emocionam ao ouvir as belas canções.
Lana já ganhou vários prêmios, e um deles é a de "Artista Revelação" no Brit Awards, que aconteceu no Reino Unido. E agora está sendo indicada em algumas categorias no EMA (Europe Music Awards), uma premiação que acontece todos os anos na Europa. Caso queiram votar e ver também as demais categorias, clique aqui.
Não posso esquecer de dizer também que o álbum "Born To Die" que alcançou o topo das paradas em 10 países, será relançado agora em novembro, e nomeado "Born To Die - The Paradise Edition", onde irá trazer muitas outras músicas além das já lançadas.
Para aqueles que não conhecem Lana Del Rey, saibam que não irão se arrepender de apreciar esta brilhante cantora, que a cada dia conquista mais e mais fãs ao redor do mundo. Eu sou um, e tenho certeza que você também será depois de ouvir suas belas canções e se emocionar com elas.

Álbum Born To Die

Fiquem com os clipes de Born To Die e Blue Jeans


Artista da Semana #4 - Rita Ora

1
COM
Para anunciar a minha volta ao blog, trouxe para vocês uma cantora e compositora britânica que está fazendo grande sucesso em todo mundo, Rita Ora. Caso vocês não a conheçam, saibam que ela é a dona do hit How We Do (party), e está sendo considerada por alguns críticos como a nova Rihanna. Pois além de pertencer ao gênero pop e R&B, a sonoridade produzida em suas músicas é quase a mesma, e até melhor.
Rita ficou conhecida através do seu primeiro single, R.I.P, que conta com a participação do rapper Tinie Tempah. A sua estreia na VEVO foi bastante agradável, conseguindo milhões de visualizações e críticas positivas em relação a seus clipes.
Rita Ora lançou recentemente o seu primeiro álbum de estúdio, nomeado ORA. Sou uma prova de que esta jovem cantora possuirá uma carreira bastante sucedida e respeitada. Não tenho palavras para expressar o que eu senti quando ouvi cada faixa do álbum. Eu fiquei surpreendido com o seu talento, e tenho que admitir que não consigo parar de ouvir ORA, pois além de original, é viciante. De todas as faixas, How We Do (party) e Radioactive foram as que mais me conquistaram, e só tenho uma coisa a dizer: são perfeitas! Além de Tinie Tempah, ORA conta também com a participação de J. Cole e o ídolo musical will.i.am.
Os britânicos estão dominando o mercado musical e mostrando para o mundo que podem se igualar ou até superar os nomeados artistas americanos. Isso é muito gratificante, pois abre oportunidades para que novas vozes sejam reconhecidas e valorizadas.
Rita Ora também está presente no álbum do cantor e compositor Conor Maynard (outra revelação britânica), na faixa Better Than You, onde apresenta uma batida totalmente contagiante. Uma combinação de vozes que jamais ouvi antes. Vale à pena conferir!
Atualmente, Rita foi indicada a algumas categorias no Eurpe Music Awards 2012 (EMA). É uma premiação que este ano irá acontecer em Frankfur, e possui como objetivo conhecer as grandes atrações musicais do ano, as ousadas revelações e os melhores clipes e produções. Para aqueles que curtem Rita Ora, vocês poderão votar aqui, e aproveitem para conhecer também as demais categorias.
O blog Livros e Rabiscos, do qual sou leitor assíduo, fez uma resenha do álbum ORA e caso vocês queiram conhecer um pouco mais sobre as faixas e críticas sobre cada uma, não deixem de conferir aqui.
Espero que vocês tenham gostado de conhecer um pouco sobre a carreira musical de Rita Ora, e a podem apostar que ela irá fazer muito mais sucesso do que já faz. Não é a toa que ela está sendo considerada a nova Rihanna...

Álbum Ora e edição deluxe



O Jardim de Ossos - Tess Gerritsen

0
COM
Título original: The Bone Garden
Editora: Record
Número de páginas: 448
Avaliação: ♥♥♥♥
Onde comprar: Americanas
Sinopse:  Boston, 1830
Para pagar os estudos, Norris Marshall, um estudante de medicina talentoso, mas sem recursos financeiros, integra as fileiras dos "ressurreicionistas" - saqueadores de tumbas que negociam cadáveres no mercado negro. Contudo, até mesmo o mórbido comércio parece insignificante diante do corpo mutilado de uma enfermeira encontrado no terreno do hospital universitário. Quando um médico renomado sofre o mesmo destino, Norris descobre que seu ganha-pão ilícito o transformou no principal suspeito dos crimes.Para provar sua inocência, o estudante precisa encontrar a única testemunha que viu o assassino: Rose Connolly, uma bela costureira dos cortiços de Boston. Ao lado do sarcástico e inteligente Oliver Wendell Holmes, Norris e Rose vasculham a cidade em busca de um maníaco que aguarda a próxima oportunidade para matar.
Massachusetts, Dias atuais.
Julia Hammil fez uma descoberta terrível em dua nova casa no interior: um crânio enterrado no jardim. Humano, feminino e, de acordo com a patologista Maura Isle, com traços inconfundíveis de um homicídio. Quem quer que tenha sido ou o que quer que tenha acontecido com aquela mulher, é algo perdido no passado.

Resenha: Finalmente eu consegui ler O Jardim de Ossos, e o motivo de toda essa ânsia deve-se ao fato de pertencer a um gênero que me agrada por demais, suspense. Já tinha lido algumas resenhas e todas tinham me interessado, até que fui pesquisar um pouquinho sobre a autora, Tess Gerritsen, e fiquei surpreso com a quantidade de livros que ela já escreveu, cada um mais interessante que o outro. Até que eu consegui comprar esta obra prima.
O Jardim de Ossos é contado em duas épocas. Uma se passa no século XIX, enquanto a outra ocorre no século XXI. O livro começa com uma cena de tirar o fôlego. Julia Hammil, recém divorciada, compra uma casa e resolve restaurar o canteiro de flores, mas quando começa a cavar a terra, encontra um esqueleto em seu quintal. Assustada, ela chama a respeitável detetive Isle, que afirma que os ossos são do século XIX, e que a marca deixada no crânio, apresentam indícios de homicídio. Inquieta com o acontecido, Julia pretende se pronunciar e investigar o passado daquela pessoa que jazia morta em seu quintal há anos. Mas, certo dia, ela recebe uma ligação de um senhor chamado Henry, que dizia saber a história daquela casa e sobre os ossos enterrados em seu jardim. Determinada, Julia viaja até o litoral para encontrá-lo, e juntos, irão viajar no tempo através de cartas e documentos para descobrirem o que realmente aconteceu naquele jardim.
Agora estamos em 1830, especificamente na cidade de Boston, onde a maioria dos estudantes está no curso de medicina. Um deles é o jovem Norris Marshall, que para se manter na universidade, é obrigado a roubar corpos recentemente enterrados em seus túmulos, para assim, vender os órgãos para o mercado negro. Norris sempre se destacou entre os alunos, pois além de ser extremamente inteligente, é bastante experiente nas aulas de cirurgia.
Tess Gerritsen
Enquanto isso, no hospital de Boston, Rose Conolly, uma jovem irlandesa, se encontra em prantos ao ver a sua irmã Aurnia não sobreviver ao trabalho de parto, mas apesar disso, ela deu a vida a um lindo bebê, e que agora estava em sua guarda, já que o marido de Aurnia a traíra e não desejara cuidar de nenhuma criança. Mas porque será que o bebê despertou o interesse de grandes autoridades da cidade?
As vidas de Norris e Rose irão mudar por completo quando misteriosos assassinatos acontecerem nos becos mais assustadores da cidade. Corpos estraçalhados, marcas em forma de crucifixos, línguas cortadas e uma cabeça decapitada. De quem eles irão desconfiar primeiro? Do excelente cirurgião ou da jovem irlandesa repleta de segredos?
Dois jovens lutando pelas suas inocências, enfrentando grandes perigos e desvendando grandes mistérios do passado, onde serão postos em uma rede de mentiras envolvendo a recém nascida Meggie e o Estripador de West Wend. E somente uma pergunta será feita: Quem será a próxima vítima?
Separadas por quase dois séculos, as duas histórias se desenvolvem de forma precisa e instigante, conduzindo o leitor a um final tão chocante quanto engenhosamente concebido.
De todos os livros que li este ano, este é o melhor, possuindo um enredo totalmente cativante e atrativo. Tess Gerritsen é realmente uma ótima escritora, e conseguiu levar o leitor a uma viagem no tempo. Uma época onde as carroças substituíam os carros e os trajes eram a principal marca da sociedade.
O Jardim de Ossos intercala habilmente a história de protagonistas do século XIX e XXI, desvendando os mistérios mais obscuros por meio do tempo e do espaço. Forte, sangrento e brilhante, confirma o talento primoroso de Tess Gerritsen.

Starters - Lissa Price

0
COM
Título Original: Starters
Editora: Novo Conceito
Número de páginas: 368
Avaliação: ♥♥♥♥
Onde comprar: SaraivaSiciliano
Sinopse: Seu mundo mudou para sempre. Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado...

Resenha: Sem dúvida alguma, Starters é o livro que mais estive ansioso para ler, desde o dia que a Novo Conceito anunciou que ele seria um dos próximos lançamentos da editora. Eu simplesmente me apaixonei pela capa, e acredito que este tenha sido o principal motivo para toda esta ânsia. O livro de estreia da autora Lissa Price possui como personagem principal, Callie, a narradora de toda a trama. Uma jovem órfã que perdeu os pais nas Guerra do Esporos, e que tinha o dever de cuidar do seu irmão mais novo, Tyler. Para garantirem a sua sobrevivência, Callie fazia de tudo para não faltar nada, mas era difícil, pois, além de se abrigarem em prédios abandonados junto com o seu melhor amigo Michael, a vida nas ruas de Berverly Hills era altamente perigosa. Haviam vários renegados e também inspetores, que na realidade tinham o dever de tirar os Starters das ruas e levá-los para as instituições, o último lugar que algum adolescente queria estar.
Mas como conseguir dinheiro sendo que ela não tinha nenhuma herança ou algo de valioso para vender? Então a sua única alternativa foi ir até a misteriosa e assustadora empresa Prime Destinations. Um lugar onde os Starters "vendem" os seus corpos para os Enders que eram os cidadãos mais velhos, acima de 60 anos, e também sobreviventes da Guerra dos Esporos. Mas em troca, recebem uma quantia em dinheiro. Eu imagino a Prime um lugar onde a decoração é toda branca, cheia de funcionários e clientes, dos quais você não pode confiar em ninguém. 
Lissa Price
A Callie conta a história de maneira tão envolvente e misteriosa, que não consegui parar de ler. Ela passa por vários perigos, desafios, e também um romance proibido. Não é uma daquelas paixões melosas que até enjoa o leitor. É uma leve atração por Blake, o filho de um importante senador. Acho que agora vocês já podem perceber o por quê deste romance ser proibido. Mas não posso falar muito, senão eu acabo contando toda a história, e não quero soltar spoilers.
Só tenho a dizer que considero Starters o Livro do Ano. Um dos melhores que já li, a acho que conseguiu superar Jogos Vorazes, agora já não sei o que vocês pensam... Lissa Price realmente caprichou nesta obra, e parece que esta é uma "duologia", estranho né!? O segundo livro a ser lançado se chamará Enders, e a capa já foi publicada, mas não é tão bonita quanto a de Starters. Espero que a Novo Conceito a edite se puder. 
O final do livro foi emocionante e surpreendente, nunca pensei que aquilo poderia acontecer, e agora não vejo a hora de lançar a continuação do mesmo. Tenho certeza que se Starters fosse adaptado para o cinema, seria um verdadeiro sucesso! A medida que eu ia lendo, ficava imaginado como seria aquela cena representada em um filme. Espero que alguém faça uma adaptação bem caprichada. 
Confiram o book-trailer:

Artista da Semana #3 - Jessie J

0
COM
Não tem como fazer o post de Artista da Semana sem falar da incrível Jessie J. Uma cantora e compositora britânica que conquistou o mundo com a sua voz e o seu carisma. Antes de alcançar a fama como cantora, Jessie já havia ganhado notoriedade na indústria da música por escrever canções de sucesso para artistas como Miley CyrusRihannaJustin Timberlake e Chris Brown. Acabou assinando um contrato com a gravadora Island Records, e lançou o seu álbum de estreia, Who You Are, recheado de canções que se tornaram hits em muitos países, um exemplo é o single Price Tag (ft. B.o.B) que fez sucesso em todo o mundo e alcançou o a primeira posição em muitos deles. Pode-se dizer que o Brasil foi um dos grandes contribuidores, porque as rádios não paravam de tocá-la. Foi realmente uma música que agradou grande partes das pessoas fanáticas por música. Sou uma prova disso, pois eu nem conhecia a Jessie no início de sua carreira, mas depois que vi o clipe, a música não saiu da minha cabeça e acabou se tornando um vício.
Sempre com um sorriso, Jessie J nunca perdeu as esperanças, até mesmo quando sofreu um acidente em um show e teve que depender de muletas por um bom tempo. Algumas pessoas falavam que ela nunca mais poderia usar salto e que talvez nem andaria mais. Mas isso não aconteceu, porque Jessie acreditava em seu potencial e sabia que iria conseguir superar aquela barreira, e a prova disso foi a sua apresentação no Europe Music Awards 2011, onde ela pode pular, correr e se divertir cantando Price Tag e em uma parceria com o David Guetta.
Jessie também é conhecida pelos seus videoclipes de excelente produção. Depois do sucesso de Price Tag, Nobody's Perfect foi escolhida como single, e seu clipe traz uma variedade de figurinos, efeitos, cenários e consigo uma letra de fazer qualquer pessoa se encantar. Vejam o que a própria Jessie J falou sobre esta faixa:

"É uma das canções mais honesta e cruas do álbum... Toda vez que eu canto eu revivo o momento em que eu a escrevi. Eu acho que é importante expor suas falhas na música, assim como seus pontos positivos. Como ela diz, ninguém é perfeito. Eu definitivamente não sou!"

Parece que ela é bem decidida na hora de compor as suas músicas, e consegui observar esta maturidade na letra de Who's Laughing Now, que apresentou as dores que teve em sua infância, onde foi vítima de bullying. Agora todas as pessoas que judiavam dela estão agora "aclamando-a" pelo grande sucesso. É incrível como as pessoas passam a te respeitar quando você é reconhecido.
Álbum Who You Are
Logo depois, Jessie lançou os singles Who You Are e Domino, que liderou a parada britânica, chegando ao topo. A canção se tornou o single de maior sucesso de Jessie nos Estados Unidos, chegando a posição de número 6 na Billboard Hot 100, ganhando certificação de platina no país.
Ela possui uma das vozes mais bonitas de toda a Europa, e é uma das cantoras que mais me influencia. O mercado musical britânico é muito importante, pois a partir dele surgiram grandes artistas que fizeram história. 
Recentemente, Jessie J se apresentou na cerimônia de encerramento das Olimpíadas de Londres 2012, e creio que fora umas das melhores de sua carreira, e fazendo uma participação especial com a eterna banda Queen, cantando We Will Rock You. Pode-se dizer que ela animou bastante o público que estava no estádio. Todos se emocionaram ao ouvir aquela música sendo cantada por ela. Sempre extravagante e cheia de energia, Jessie J não vai deixar se abater por nada, e acredito que ela fará muito mais sucesso do que já fez. 

Confiram o clipe de Domino:

A Maldição do Tigre - Colleen Houck

0
COM
Título original: Tiger's Curse
Editora: Arqueiro
Número de páginas: 342
Avaliação: ♥♥♥♥
Onde comprar: AmericanasSaraiva.
Sinopse: Kelsey Hayes perdeu os pais recentemente e precisa arranjar um emprego para custear a faculdade. Contratada por um circo, ela é arrebatada pela principal atração: um lindo tigre branco. Kelsey sente uma forte conexão com o misterioso animal de olhos azuis e, tocada por sua solidão, passa a maior parte do seu tempo livre ao lado dele. O que a jovem órfã ainda não sabe é que seu tigre Ren é na verdade Alagan Dhiren Rajaram, um príncipe indiano que foi amaldiçoado por um mago há mais de 300 anos, e que ela pode ser a única pessoa capaz de ajudá-lo a quebrar esse feitiço. Determinada a devolver a Ren sua humanidade, Kelsey embarca em uma perigosa jornada pela Índia, onde enfrenta forças sombrias, criaturas imortais e mundos místicos, tentando decifrar uma antiga profecia. Ao mesmo tempo, se apaixona perdidamente tanto pelo tigre quanto pelo homem.

Resenha: Paixão, destino e lealdade. Essas são as três palavras essenciais presentes neste romance cheio de aventuras. Nunca pensei que iria gostar tanto de deste livro, e principalmente dos personagens. Ren, Kishan e Kelsey são inesquecíveis! É quase impossível um leitor não se envolver e emocionar com as altas aventuras e mistérios que se passam na série.
Repleta de sonhos, Kelsey nunca poderia imaginar que iria trabalhar em um circo, e muito menos que se apegaria tanto a um animal, um lindo tigre de olhos azuis e de pelagem branca. Este era Ren, que fora amaldiçoado junto com o seu irmão Kishan, transformando-se em um tigre também.
Dhiren esperava a ajuda de Kelsey para ajudá-lo a quebrar a maldição, mas como explicaria isso a ela? Essa é uma das passagens mais emocionantes e curiosas de livro. Não me aguentei de tanta ansiedade para ver como ela reagiria nesta crítica situação. A Maldição do Tigre é mágico! Uma viagem cheia de aventuras pela gigantesca Índia, onde desvendam e aprendem cada vez mais sobre a cultura desse povo. Deuses, sábios, criaturas místicas e objetos valiosos. Tudo isso misturado com um atraente e irresistível romance, onde os sentimentos dos personagens são explorados de maneira tão realística que nos fazem roer as unhas a cada momento de ação e mistério.
                                      Você arriscaria tudo para salvar seu grande amor?
Colleen Houck se parece muito com Rick Riordan, onde ambos escrevem histórias maravilhosas e que conquistam o nosso público juvenil. Mas acho que a série dos tigres é a melhor que estou lendo, muito perfeita. Já está sendo  feita a adaptação do livro para o cinema, e há rumores de que o ano de estreia seja em 2015. Esta série é composta por:                    
A Maldição do Tigre
O Resgate do Tigre
A Viagem do Tigre
O Destino do Tigre 
O Sonho do Tigre
Acabei de ler "O Resgate do Tigre", e tenho que admitir que a Colleen se superou. A história vai ficando cada vez mais interessante e inesquecível. Embarque nessa emocionante viagem pela Índia você também!

Espero que tenham gostado! 
Até a próxima! =D

Nova Meta de Leitura

0
COM
Oi gente!
Como hoje essa semana não teremos resenhas literárias, trouxe para vocês uma lista de livros que vou ler, alguns obrigatórios e outros não. Então vamos a minha Meta de Leitura!

Sinopse: Cinco estranhos e uma coisa em comum: a caça ao tesouro. Achar as pistas nesta guerra definirá o destino da humanidade. Em um futuro não muito distante, as pessoas abriram mão da vida real para viver em uma plataforma chamada Oasis. Neste mundo distópico, pistas são deixadas pelo criador do programa e quem achá-las herdará toda a sua fortuna. Como a maior parte da humanidade, o jovem Wade Watts escapa de sua miséria em Oasis. Mas ter achado a primeira pista para o tesouro deixou sua vida bastante complicada. De repente, parece que o mundo inteiro acompanha seus passos, e outros competidores se juntam à caçada. Só ele sabe onde encontrar as outras pistas: filmes, séries e músicas de uma época que o mundo era um bom lugar para viver. Para Wade, o que resta é vencer – pois esta é a única chance de sobrevivência. A vida, os perigos, e o amor agora estão mais reais do que nunca. O Jogador nº1 também estará nas telas pela Warner, e sua produção está sendo divulgada como o próximo AVATAR dos efeitos especiais!




Sinopse: Traído pelas famílias que governam as cidades-estado italianas, um jovem embarca em uma jornada épica em busca de vingança. Para erradicar a corrupção e restaurar a honra de sua família, ele irá aprender a Arte dos Assassinos. Ao longo do caminho, Ezio terá de contar com a sabedoria de grandes mentores, como Leonardo da Vinci e Nicolau Maquiavel, sabendo que sua sobrevivência depende inteiramente de sua perícia e habilidade. Para os seus aliados, ele será uma força para trazer a mudança lutando pela liberdade e pela justiça. Para os seus inimigos, ele será uma ameaça que procura destruir os tiranos que oprimem o povo da Itália. Assim começa uma épica história de poder, vingança e conspiração.






Sinopse: O que impulsiona os personagens é a seca, áspera e cruel, e paradoxalmente a ligação telúrica, afetiva, que expõe naqueles seres em retirada, à procura de meios de sobrevivência e um futuro. Apesar desse sentimento de transbordante solidariedade e compaixão com que a narrativa acompanha a miúda saga do vaqueiro Fabiano e sua gente, o autor contou: "Procurei auscultar a alma do ser rude e quase primitivo que mora na zona mais recuada do sertão... os meus personagens são quase selvagens... pesquisa que os escritores regionalistas não fazem e nem mesmo podem fazer ...porque comumente não são familiares com o ambiente que descrevem...Fiz o livrinho sem paisagens, sem diálogos. E sem amor. A minha gente, quase muda, vive numa casa velha de fazenda. As pessoas adultas, preocupadas com o estômago, não tem tempo de abraçar-se. Até a cachorra [Baleia] é uma criatura decente, porque na vizinhança não existem galãs caninos". VIDAS SECAS é o livro em que Graciliano, visto como antipoético e anti-sonhador por excelência, consegue atingir, com o rigor do texto que tanto prezava, um estado maior de poesia.





Sinopse:  Sita e Ahalya são duas adolescentes de classe média alta que vivem tranquilamente junto de seus familiares, na Índia. Suas vidas tranquilas mudam completamente quando um tsunami destrói a costa leste de seu país, levando com suas ondas a vida dos pais e da avó das meninas. Sozinhas, elas tentam encontrar um modo de recomeçar a vida. Mas elas não devem confiar em qualquer um... Enquanto isso, do outro lado do mundo, em Washington, D. C., o advogado Thomas Clarke enfrenta uma crise em sua vida pessoal e profissional e decide mudar radicalmente: viaja à Índia para trabalhar em uma ONG que denuncia o tráfico de pessoas e tenta reatar com sua esposa, que o abandonou. Suas vidas se cruzarão em um cenário exótico, envolto por uma terrível rede internacional de criminosos. Abrangendo três continentes e duas culturas, Cruzando o Caminho do Sol nos leva a uma inesquecível jornada pelo submundo da escravidão moderna e para dentro dos cantos mais escuros e fortes do coração humano.





Sinopse: Seu mundo mudou para sempre. Callie perdeu os pais quando as guerras de Esporos varreu todas as pessoas entre 20 e 60 anos. Ela e seu irmão mais novo, Tyler, estão se virando, vivendo como desabrigados com seu amigo Michael e lutando contra rebeldes que os matariam por uma bolacha. A única esperança de Callie é Prime Destinations, um lugar perturbado em Berverly Hills que abriga uma misteriosa figura conhecida como o Old Man. Ele aluga adolescentes para alugar seus corpos aos Terminais — idosos que desejam ser jovens novamente. Callie, desesperada pelo dinheiro que os ajudará a sobreviver concorda em ser uma doadora. Mas o neurochip que colocam em Callie está com defeito e ela acorda na vida de sua locadora, morando em uma mansão, dirigindo seus carros e saindo com o neto de um senador. Parece quase um conto de fadas, até Callie descobrir que sua locatária pretende fazer mais do que se divertir — e que os planos de Prime Destinations são tão diabólicos que Callie nunca podia ter imaginado...


Estou bem ansioso para começar essas novas leituras, apesar de não ter muito tempo para isso, mas farei o possível para conseguir.
Até a próxima!

Artista da Semana #2 - Foster The People

0
COM
Hoje eu resolvi trazer para vocês uma banda que é sucesso nos Estados Unidos, e que este ano já deu uma passadinha pelo Brasil, no festival de música Lollapalooza. Foster The People é composta por Mark Foster nos teclados, guitarras e vocais; Mark Pontius na bateria; e Cubbie Fink no baixo e vocal e apoio. Três amigos que abalaram e transformaram o estilo indie rock, e aos poucos a banda foi crescendo e se tornando cada vez mais popular, principalmente quando uma de suas faixas do álbum Torches se tornou hit em grande parte dos rádios em todo o mundo. Podemos dizer que Pumped up Kicks foi o combustível para que a banda alcançasse o topo das paradas. Tanto é que esta música foi escolhida como single, e acabou sendo indicado no Video Music Awards 2011 como Melhor Clipe de Rock. Pumped up Kicks é inesquecível e viciante, pois quando eu a ouvi pela primeira vez, não parei de escutá-la, o que me levou a conhecer as outras faixas do álbum.
Cubbie Fink, Mark Foster e Mark Pontius
Acredito que Torches seja um dos melhores álbuns de estúdio de indie rock já produzidos atualmente. A voz do Mark Foster é realmente perfeita, a sonoridade produzida é a característica mais importante, e o que transforma a música em uma obra de arte.
O que mais me chamou atenção no Foster The People, é que muitas vezes eles trazem mensagens através das suas canções, como por exemplo a faixa single Helena Beat, que além de possuir uma batida altamente contagiante, apresenta uma pedido de socorro, especificamente, o término de guerras e a proliferação da paz. O clipe apresenta estes aspectos com muito mais clareza.
Quando vi as apresentações do Foster The People no Lollapalooza em São Paulo, eu fiquei surpreendido, pois  eles cantam ao vivo de um jeito tão diferente e contagiante, onde eles dão vida às suas músicas e deixam a batida fluir no ritmo dos fãs que cantam enlouquecidos. Em uma entrevista ao canal Multishow, eles revelaram que foram bem recebidos aqui no Brasil  e que o nosso carisma é impressionante. Também disseram que querem voltar mais vezes. Espero que venham o mais rápido possível, pois eu adoraria ir ao show deles.
As vendas de Torches alcançaram a marca de 33 mil cópias na primeira semana, e já é certificado em Ouro nos Estados Unidos, Canadá e Austrália, um número ótimo para um álbum de estreia, o que significa que o público está gostando cada vez mais. Também o álbum chegou ao topo na parada americana, Billboard.    Nos charts Billboard Rock Albuns e Alternative Albuns.
Sem dúvida alguma, Foster The People é a minha banda favorita, e para mim não existe outro artista de indie rock que possa superá-los.


Álbum Torches


Faixas:
 01- Helena Beat
 02- Pumped up Kicks
 03- Call It What You Want
 04- Don't Stop (Color On The Walls)
 05- Waste
 06- I Would Do Anything For You
 07- Houdini
 08- Life On The Nickel
 09- Miss You
 10- Warrant 
 11- Broken Jaw

Confiram o clipe de Pumped up Kicks

Um Mundo Brilhante - T. Greenwood

0
COM
Título original: The Glittering World
Editora: Novo Conceito
Páginas: 336
Avaliação: ♥♥♥♥
Onde comprar: FnacAmericanasLeitura

Sinopse: Quando o professor Ben Bailey sai de casa para pegar o jornal e apreciar a primeira neve do ano, ele encontra um jovem caído e testemunha os últimos instantes de sua vida. Ao conhecer a irmã do rapaz, Ben se convence de que ele foi vítima de um crime de ódio e se propõe a ajudá-la a provar que se tratou de um assassinato. Sem perceber, Ben inicia uma jornada que o leva a descobrir quem realmente é, e o que deseja da vida. Seu futuro, cuidadosamente traçado, torna-se incerto, pois ele passa a questionar tudo à sua volta, desde o emprego como professor de História, até o relacionamento com sua noiva. Quando a conheceu, Ben tinha ficado impressionado com seu otimismo e sua autoconfiança. Com o tempo, porém, ela apenas reforçava nele a sensação de solidão que o fazia relembrar sua infância problemática. Essa procura pelas respostas o deixará dividido entre a responsabilidade e a felicidade, entre seu futuro há muito planejado e as escolhas que podem libertá-lo da delicada teia de mentiras que ele construiu. Esta, enfim, é uma história fascinante sobre o que devemos às pessoas, o que devemos a nós mesmos e o preço das decisões que tomamos.


Resenha: O livro da autora T. Greenwood, apresenta um enredo dramático onde os personagens vivem grandes emoções, suas atitudes e decisões podem acarretar sérios problemas e conflitos. Um romance proibido, um casamento e um bebê. Tudo isso coloca a vida de Ben entre dois caminhos, duas paixões.
O início da leitura foi bastantes tranquilo, pois a história se desenvolveu bem, mas achei que os personagens não se envolveram o suficiente, não vi traços fortes de discussões. Ben aparenta ser calmo e passivo, concordando na maioria das vezes com as propostas da sua namorada, Sara.
T. Greenwood
O que fez Um Mundo Brilhante  levar uma avaliação 4, foi o final, que por sinal é bastante rápido e decepcionante. Eu esperava algo excepcional, pois o desenvolvimento do enredo estava bom. Acabei lendo quatro vezes a última página para entender o que realmente aconteceu. T. Greenwood deixou a desejar.
Um dos pontos do livro que eu mais gostei, foram as investigações para descobrir quem matou o jovem que fora encontrado em meio a densa neve.
Já ouvi muitos comentários de pessoas que estavam comparando este livro com A Cabana. Estavam achando que Um Mundo Brilhante pertence ao gênero de autoajuda por causa do título e da capa, mas se enganaram. Este livro é bem mais interativo, apesar dos seus defeitos.
Recomendo-o para quem gosta de drama com romance-policial. Espero que, quando a Greenwood escrever outro livro, ela possa melhorar e ampliar as suas ideias e não cometer estes erros.


Até a próxima! =D

World Tour Live - Taylor Swift

0
COM

Olá pessoal!
Resolvi trazer para vocês essa novidade! Teremos agora uma resenha sobre tours e shows realizados pelos mais variados artistas. Apresentarei várias categorias para serem avaliadas detalhadamente, recebendo assim, uma nota variando de 0 a 5. E para começarmos essa nova jornada com bastante emoção, trago aqui uma resenha sobre o Speak Now World Tour Live, realizado pela ilustre cantora country, Taylor Swift. Ela mesma, a grande homenageada este ano pela Billboard, com o prêmio de Mulher do Ano. Confiram agora como foi este show.
♥♥♥♥

Canções: Sei que sou muito suspeito para falar sobre as músicas da Taylor, sendo um de seus grandes fãs espalhados por este mundo, mas tenho que admitir que ela arrasou! A voz ao vivo ficou bem melhor de quando é gravada em um estúdio. Taylor realmente deu vida às suas canções, divertindo, emocionando e surpreendendo os fãs. Além de misturar algumas de suas músicas com a de outros artistas, como Jason Mraz e Train. 5/5
Performance: Já não era de se esperar que o Speak Now World Tour fizesse tanto sucesso, pois pode-se perceber através do show que tudo o que foi montado e produzido, foi feito com muito carinho e dedicação. Foram meses de preparação e ensaios, o que resultou em uma perfeita apresentação, cheia de dançarinos, figurinos aperfeiçoados e uma multidão de fãs enlouquecidos. Em minha opinião, Haunted, Speak Now e Enchanted foram as melhores apresentações da noite. 5/5
Cenário: Impecável! Esta é a palavra que pode descrever o cenário deste show. Nunca tinha visto algo assim em minha vida! Não é a toa que a Taylor Swift teve a turnê mais lucrativa dentre todas as que aconteceram no ano passado. A gigantesca escada, os sinos, a árvore iluminada no meio dos fãs... É muita perfeição!  5/5
Figurino: Não tem como falar deste show sem analisarmos o figurino, que é uma categoria que mais despertou a atenção do público. Taylor usa 9 vestidos durante toda a apresentação, e cada um é mais bonito do que o outro. Todos combinam com a letras das músicas. Desde o vestido desbotado de Mean, até o mais sedutor de Better Than Revenge. 5/5
Interação com os fãs: A todo momento, Taylor se comunica e interage com os fãs. É muito legal isso, como por exemplo nas apresentações nais lentas e tranquilas, como Last Kiss, Fearless e Drops of Jupiter. Ela expressa as suas emoções em com isso podemos ver muitos fãs chorando. A Taylor Swift realmente consegue "mexer" com os sentimentos de muitas pessoas, e isso é muito gratificante para um fã. 5/5
Palco: O imenso e iluminado palco foi um dos quesitos que mais me chamou atenção, pois nunca tinha assistido um show em que o cantor podia se movimentar tanto. Esse detalhe é importante também pelo fato de que as apresentações não ficarão tão chatas e monótonas. 5/5
Iluminação e Efeitos: Achei a iluminação perfeita! Não tinha uma lâmpada fora do seu devido lugar. tudo acontecia como em um passe de mágica. Os foguetes, a árvore iluminada, os sinos, as faíscas que soltam toda hora em Sparks Fly, os trampolins, a neve em Back to December, e muito mais. 5/5

Curiosidades: Speak Now World Tour é a segunda turnê mundial da cantora Taylor Swift, em suporte a seu terceiro álbum de estúdio, Speak Now. Sua estréia ocorreu no dia 9 de fevereiro de 2011 em Singapura, e seu fim ocorreu em 18 de março de 2012 na Nova Zelândia, e contou com participações especiais como Nicki Minaj, B.o.B, Hayley Willians, Justin Bieber, Selena Gomez, Tim McGraw e diversos artistas dos mais variados gêneros.


Confiram abaixo o clipe Sparks Fly, que em resumo, é o uma prévia do Speak Now World Tour.



Espero que tenha gostado da resenha e do clipe.
Até a próxima! =D